Superando o Luto

   Não é de agora que a vida nos fala que nós não estamos no controle dos acontecimentos cotidianos, nossa autonomia cabe apenas no espaço das nossas próprias falas e atitudes perante à vida.
   No meio de tanta abstração do jogo da vida, duas coisas são concretas:

  • Estamos de passagem. Pessoas chegam e partem todos os dias, da mesma forma que um dia viemos e um dia também iremos embora.
  • Não é culpa sua e você não tem controle sobre isso. Repito: Não é culpa sua!

   Esse sentimento de perda é comum, todos na vida irão passar de alguma forma por ele e mesmo assim o processo costuma ser muito doloroso. A maioria de nós ainda não está preparada para ver a morte e perda como um processo que pode ser celebrado com alegria, embora em algumas culturas/religiões ou países já prevalece a ideia de que os mortos não se foram para sempre, apenas passaram para outro lado da vida, e assim celebram a passagem daqueles que enfim se libertaram do sofrimento terreno para voltar para a verdadeira casa - a qual todos retornaremos.
   Deixo algumas dicas para quem está vivenciando atualmente esse processo de luto e busca uma forma de superar a angústia:



Liberte o sentimento!

  Toda e qualquer mudança para ser eficaz e transformadora, precisa sim ocorrer de dentro para fora e não o contrário. Quem tenta tirar a lagarta do casulo antes do tempo, mata a borboleta.
   Desenvolva paciência e amor com o seu processo, acolha seus sentimentos ao invés de tentar reprimi-los. Dói? Então deixe doer. 
   Por mais que existam roteiros, a vida não é uma matéria exata e racional, somos únicos e temos uma bagagem histórica individual que não nos permite experienciar as mesmas coisas de forma igual. O que serviu para um não necessariamente servirá para você. Não se intimide pelos conselhos, críticas e cobranças alheias. Esse é o seu momento, aquele que só você sabe onde o nó aperta no sapato, e se o que eu digo não fizer sentido também, busque no seu coração qual é a melhor forma de lidar com isso. Só você pode saber, é a SUA verdade emocional.
   O que não pode é reprimir suas emoções para corresponder as expectativas alheias, nossas emoções são importantes e merecem atenção. Se não lidamos com elas, elas acabam nos afogando.
   O mergulho de introspecção se faz necessário para que se consiga isolar as influências externas e entrar em contato apenas com o próprio sentimento. Esse momento não irá durar muito tempo, talvez algumas semanas. Por mais que pareça que dure uma eternidade, ele também irá passar assim que você reconhecer e aceitar internamente o que está sentindo.

Expresse-se!

   Quando acumulamos muitas emoções é inevitável o desejo de manifestá-las, é uma forma de extravasar a pressão antes que se "exploda" por não suportar mais. Encontre sua forma de se expressar. A arte e a comunicação estão a sua disposição e você não precisa ser um gênio musical ou um pintor de renome, muito menos ter diploma para fazer uso desses canais.
   Use a sua criatividade e se ainda precisar, seguem algumas dicas: faça um desenho, escreva uma carta para a pessoa que se foi, escreva os seus sentimentos, modele algo em argila ou massinha, dê uma caminhada solitária pela praia ou no parque perto da sua casa que você gosta, converse com a sua família e seus amigos (eles não podem mudar o que aconteceu, mas o sentimento de união e amizade podem ajudar a tirar seu foco da perda e aliviar o sofrimento), cante alguma música, dance pela casa, faça uma comida que você gosta, dê vida para as fotos antigas, etc.

Questione-se!

   Existem portas que só se abrem quando outras portas se fecham, aproveite pois é no silêncio e no aparente vazio existencial que o novo surge. Como uma semente que brota do chão, ou um bebê que se desenvolve no útero. Não se sinta limitado(a) por não ter mais ao que se apegar, esse é o impulso para o novo, para a aventura. Se você tem questionamentos a respeito da vida, da morte, das emoções... é exatamente agora que você tem o melhor momento para buscar outros significados. O terreno está fértil para essa busca pois geralmente as pessoas não buscam saber o porquê acontecem tempestades, de onde vem, como vem, para onde vão e o que elas significam. Só depois que o vendaval acontece que a consciência desperta para a busca do conhecimento e isso não é errado, pois só quando passamos pela experiência prática que a teoria começa a fazer sentido!
   Busque expandir sua consciência, deixar-se aprender novas coisas, encontre significados.

Foque no Trabalho

   Não quero dizer para você sentar naquela mesa de escritório e se sacrificar para ganhar uma miséria no fim do mês, o trabalho aqui tem o significado de atividade, qualquer ato prático que você consiga realizar. Se tirar você do lugar, é trabalho. Foque em atividades práticas produtivas, o trabalho nos eleva e nos protege dos abismos que encontramos devido à pensamentos negativos. Um trabalho produtivo pode ser inclusive você expressar os seus sentimentos, como foi dito anteriormente, use a criatividade e saia de onde você se encontra fazendo algo que lhe dê prazer e sirva como base para dias melhores.
   Fuja de sacrifícios, mas fuja mais ainda da inércia. Faça algo de quê você se orgulhe e que se sinta útil. Você já tem o conhecimento que existem coisas que ninguém mais pode fazer, só você! Desenvolva suas habilidades com alegria.

Procure Apoio Profissional

   Se você se sente sobrecarregada(o), não viva de orgulho. Aprenda a pedir ajuda para quem tem a capacidade de lhe orientar. A Naturologia é uma profissão da área da saúde diferenciada, foca em entender o ser humano como um todo e respeita as ligações que há em seu mundo interior e exterior, utiliza-se de terapias naturais e integrativas tal como medicinas milenares como a chinesa e ayurvédica. De natureza acolhedora, respeita o processo de amadurecimento de cada ser, atuando como cuidador e facilitador. Dentro das competências do naturólogo seguem algumas terapias que podem beneficiar muito o interagente que está vivenciando um momento de luto: terapia floral, cromoterapia, aromaterapia, hidroterapia, acupuntura e arteterapia. 



Quem é da Alegria
Não morre
Só vai morar
Em outro lugar

Não se preocupe
Quem é da Alegria
Há de se encontrar

Quem é do Amor
Não morre
Só vai amar
De outro lugar

Não se preocupe
Quem é do Amor
Ninguém impede de amar

Quem é do Bem
Não morre
Só vai estar
Em outro lugar

Não se preocupe
Quem é do Bem
Em laços de coração há de ficar

Meu bem, se alegre. Amor é uma coisa que não morre.

Lúcia Fernandes Bonito


   

Nenhum comentário:

Postar um comentário